ÁREA DO CLIENTE

Esqueceu sua senha?

Condomínio

A segurança no acesso à garagem do condomínio

Diante do aumento da procura por soluções que reforçam a segurança condominial, criminosos estão mudando suas táticas para obterem sucesso na invasão aos condomínios residenciais — seja adotando o disfarce de visitantes, entregadores, prestadores de serviços ou, ainda, rendendo moradores no portão de entrada do prédio. Por esse motivo, aumentar a segurança no controle de acesso a garagem em condomínios residenciais é de fundamental importância.

 

A sensação de insegurança em condomínios tem aumentado muito nos últimos anos devido aos índices de crescimento da violência urbana. E o acesso à garagem representa um dos locais mais vulneráveis para os moradores, ainda mais quando o espaço não é bem planejado e estruturado. Segundo especialistas, o que se observa são falhas de procedimentos de segurança que acarretam invasões nos prédios, sendo que 90% delas são pela porta da frente.

 

A portaria remota é um exemplo de tecnologia que ajuda a inibir ações de criminosos, uma vez que assegura o cumprimento de procedimentos mais rígidos para acesso ao condomínio. Isso porque o profissional contratado para monitorar e controlar o fluxo de entrada e saída de moradores, visitantes, funcionários, prestadores de serviço e veículos passa a atuar de uma central de monitoramento à distância.

Esse é um fator que reduz consideravelmente os riscos relacionados às falhas humanas, pois evita contato direto do porteiro com desconhecidos, assim como permite a liberação de entrada e saída do condomínio por meio do uso de dispositivos de identificação de alta tecnologia.

 

Solução para tornar mais rígido o controle de acesso a garagem em condomínios

 

Buscar por inovações disponíveis no mercado de segurança condominial para promover um controle de acesso a garagem em condomínios mais rígido tem sido a alternativa adotada para evitar possíveis roubos e invasões. A opção ideal é apostar em um sistema de portaria remota completo que forneça todo o aparato tecnológico necessário para fazer o controle e monitoramento do acesso a condomínios — desde câmeras ligadas a interfones, portaria de pedestres para moradores e visitantes com eclusa até softwares totalmente integrados para automatizar a gestão condominial.

 

O ideal é que seja utilizado, por exemplo, um sistema de acesso biométrico com digital, imagem ou voz, e um sistema de RFID ou leitura de placas. Só que de nada adianta instalar diversos equipamentos eletrônicos se não houver uma norma de segurança que seja respeitada por todos os condôminos e visitantes.

 

Regras

 

Por isso, para evitar qualquer surpresa desagradável, a recomendação é que, independente da situação, os portões das garagens não sejam abertos sem a identificação do motorista ou a autorização expressa do condômino, síndico ou zelador, caso tenha. Obviamente, cada local tem sua peculiaridade e, portanto, é importante adaptar o sistema de controle de acesso à particularidade operacional, seguindo os protocolos de cada caso e evitando ao máximo qualquer tipo de exceção”, explica.

 

Dicas de segurança

  • Cadastre e mantenha atualizada a relação dos condôminos, incluindo a placa dos veículos. Além disso, na portaria, é muito importante ter os livros de registro para controle de entrada e saída das pessoas, veículos e materiais
  • Mantenha as entradas do condomínio bem iluminadas, evitando pontos de penumbra. E, instale dispositivos eletrônicos de segurança, se possível com monitoramento por empresas especializadas
  • É importante manter os equipamentos de segurança e comunicação em bom estado de conservação;
  • Antes de abrir o portão da garagem, os porteiros devem identificar quem está dentro do carro
  • Quando há porteiro 24h, a indicação é treinamento e mais treinamento. Não basta colocar uma pessoa na portaria e acreditar que ela resolverá todos os problemas do condomínio. Também não podemos esquecer que a atividade de porteiro é “abrir portas”, ele não é vigilante e, portanto, não age repressivamente
  • Nos condomínios em que não existe a figura do porteiro, se torna necessário o investimento em uma estrutura tecnológica que permita o efetivo controle de entrada e saída de veículos. Além, evidentemente, da cultura adequada de segurança difundida e aplicada pelos condôminos
  • Nos casos em que a portaria é virtual, o principal fator é a escolha adequada da prestadora de serviço e ter em mente que o condomínio não é o único cliente dela. Cada condomínio deve ser avaliado individualmente para a escolha da opção mais adequada quanto à infraestrutura e aos equipamentos a serem instalados nesse sistema.

 

Conheça os diferentes sistemas de entrada

 

Porteiro: a liberação de acesso se dá, exclusivamente, pelo porteiro que abre e fecha os portões. Um sistema bastante arriscado, pois depende, exclusivamente, do ser humano para reconhecimento e liberação da entrada dos veículos;

Controle remoto: é o morador que abre e fecha o portão através de controle remoto próprio. Também arriscado, pois depende, unicamente, do condômino, podendo acarretar falha deste ou mesmo perda do equipamento;

Sistema misto de abertura dos portões: abertura externa pelo morador, através de controle, e abertura interna pelo porteiro, que primeiro confirma se quem está no veículo é mesmo o condômino para depois liberar o segundo portão. É mais seguro que os anteriores;

Automatização dos acessos: mais modernos, com leitores de placas, tags ou mesmo fitas adesivas onde se identifica, primeiramente, o veículo e, na sequência, se faz a confirmação do morador através de biometria (digital ou facial) para liberação da entrada na garagem. Costuma ser o mais completo.

Além de estar sempre em alerta, o porteiro precisa saber ler, ter facilidade de memorização e concentração. Estas qualificações são fundamentais ao recrutar e selecionar pessoas, porque o ideal é escolher sempre perfis de profissionais capazes e adequados para cada trabalho. Investimento e pessoal qualificado, então, estão fortemente relacionados a um bom resultado quanto à segurança.

 

É por isso que de nada adianta ter pressa para liberar a entrada de automóveis no condomínio se isto pode proporcionar brechas de vulnerabilidade e resultar na invasão de “espertalhões” no domicílio