ÁREA DO CLIENTE

Esqueceu sua senha?

Notícias

Como fazer a manutenção do jardim na primavera

A princípio, o jardim de um condomínio pode parecer um detalhe insignificante, mas na prática ele é uma área importante para o convivência dos condôminos e para a valorização do patrimônio. Isso porque ele vem sendo visto como um elemento que promove o conforto, a saúde e a qualidade de vida dos moradores.

Mantê-lo sempre em dia gera muitos benefícios e a falta de manutenção adequada pode comprometer sua estrutura, o solo e as plantas desta área. Como no próximo dia 22 de setembro, se encerra um período em que o seu jardim “repousa” e não exige maiores cuidados, o inverno, e se inicia mais uma primavera, a estação mais florida do ano, separamos algumas dicas que vão ajudá-lo a fazer uma boa manutenção.

Regras – Primeiramente, é importante definir as regras relacionadas ao seu jardim, se ele será uma área de lazer e livre circulação dos moradores, integrado com playground ou a piscina do condomínio, por exemplo. Visto que cabe aos moradores assumire responsabilidades e cumprirem regras de convivência e manutenção também das áreas do condomínio. Sendo assim, é válido determinar e divulgar regras para não mexer nas plantas, não pisar em determinas áreas, entre outras.

Escolha das plantas – Cada espécie de vegetais exige cuidados específicos, não plante qualquer planta em qualquer ambiente. Quando for comprá-las, verifique se são espécies que preferem sol ou sombra, quantas vezes devem ser regadas, qual a melhor maneira de plantá-la, se ela é perene (espécies vegetais cujo ciclo de vida é longo) ou tem fases, se têm espinhos ou é venenosa. Elas devem ter as características específicas do espaço que você pretende colocá-las. E também vale tentar harmonizar as cores, texturas, formas, estrutura e até a melhor época do ano para o plantio.

Ter diversos pés de plantas que florescem em diferentes épocas do ano é sempre uma boa opção para quem quer ter um jardim sempre florido. Além das flores serem uma boa opção para os locais pequenos, porque suas raízes não precisam de muito espaço.

Deve-se evitar comprar sementes, porque demoram muito para germinar, enquanto as outras plantas vão crescendo mais rápido e acabam ocupando seu espaço. Assim como algumas árvores grande também não são recomendadas, porque é preciso levar em conta o tamanho vertical das suas folhas e sua raiz. Mas, se você mesmo com o pouco espaço, quer colocar árvores, uma dica é plantar frutíferas de pequeno porte, como acerola e pitanga.

Regar – Essa atividade não é nenhum bicho de sete cabeças, mas envolve diferentes fatores. As plantas expostas ao sol podem ser regadas de uma a duas vezes por semana, em média. Já os vasos de plantas internos normalmente não exigem tanta água como as plantas que ficam no sol. As jardineiras que ficam em locais mais altos ou com grande circulação com vento precisam de mais atenção, já que, normalmente precisam de mais água para não ficarem secas. Na primavera, as plantas devem ser regadas em dias alternados. Isso vale para períodos mais quentes, no verão. Para não correr nenhum risco, antes de regar, mexa a terra com alguma objeto ou com a mão mesmo e verifique se ela está seca ou úmida. Caso esteja molhada ainda, deixe para regar em outro momento.

Adubação – Para estimular que as flores desabrochem, uma dica é usar adubo rico em fósforo, que é um nutriente que ajuda na formação de flores, frutos, sementes e raízes. E a combinação de adubos orgânicos e minerais é muito boa, pois eles se complementam. Além disso, a primavera, que estimula a florada e o crescimento, é a época ideal para adubar as plantas. Contudo, cada planta exige um tipo de adubação, então procure orientações com profissionais para não errar no tipo de adubo e na quantidade. É recomendado que a aplicação do adubo seja feita em dias chuvosos ou nublados.

Podas – Este processo também exige cuidados e um certo conhecimento técnico, porque ele pode levar a planta à morte. A primavera, na verdade, não é a época do ano ideal para fazer a poda de limpeza, mas ainda é possível fazê-la. Deve ser feita sempre que a espécie estiver com folhas e galhos grandes ou galhos secos, doentes e mal formados. Conte com a orientação de um jardineiro, porque existem plantas que precisam de podas regulares para estarem sempre bonitas e com flores e outras que ficar diretamente prejudicadas ao serem podadas. As plantas daninhas, que são aquelas que crescem onde não são desejadas, podem ser retiradas de maneira mecânica, com a mão ou com uma pequena enxada.

Aeração do solo – Este é um procedimento que consiste na renovação de ar do solo através do processo de troca de gases entre o solo e a atmosfera. Com o tempo, ele vai ficando compactado, por isso é importante afofar os canteiros e até mesmo a terra dos vasos ornamentais para aeração das raízes das plantas, no começo da primavera. Sempre é necessário a renovação da quantidade de matéria orgânica do solo e a contribuição para a melhor absorção de água e nutrientes provenientes dos adubos.

Reenvasamento – Depois de um certo tempo, as plantas em vasos têm uma diminuição no seu vigor e no ritmo de crescimento. Assim, elas se tornam mais propensas a contaminação e doenças. Este método chamado de reenvasamento, de transplantá-las para um vaso maior e com nova terra, é uma ótima maneira de revigorá-las. Para saber se elas já precisam ser replantadas, verifique se as suas raízes já estão saindo pelo fundo do vaso, se ela já não se desenvolve bem e a terra seca rapidamente.

Contratação de profissionais – É indicado à maioria dos condomínios, a contratação de uma empresa especializada na manutenção das áreas vezes. Há quem prefira economizar e deixar na mão de empregados não especializados. No entanto, profissionais especializados, como paisagistas e jardineiros, tem alto conhecimento sobre os cuidados diferenciados para cada planta e cada estação do ano, o período ideal para as podas, a adubação correta e mais. Além disso, pelo menos uma vez por mês, recomenda-se que um profissional especializado aplique venenos específicos nos jardins para combater fungos e pragas. Pois, se feito de forma errada, pode acabar com todo o jardim e até mesmo colocar em risco a saúde de todos que circulam pela área.

Contudo, o correto é que o jardim do seu condomínio receba atenção durante todo o ano, independente da estação. Faça uma vez por mês uma manutenção, além do mais, assim como fachada e o hall de entrada, ele pode ser grande parte do cartão de visita do seu condomínio.