ÁREA DO CLIENTE

Esqueceu sua senha?

Condomínio

Vantagens e desvantagens do revestimento com pastilhas

Bonitas e versáteis, as pastilhas são opção para revestir novas fachadas ou revitalizar antigas

Se você fizer uma pesquisa rápida sobre revestimento verá que as opções são inúmeras. Os diferentes materiais, as cores, os formatos e as indicações de uso são capazes de confundir qualquer um que não seja profissional na área.

Mas fique tranquilo! É possível entender esse universo e garantir as melhores escolhas para sua obra. Para ajudar você nessa tarefa, preparamos este post. Continue a leitura e entenda a diferença entre pastilhas, porcelanato e azulejo — assim fica mais fácil descobrir qual é o melhor revestimento!

A principal característica das pastilhas é o tamanho pequeno, deixando um aspecto quadriculado. Assim como os azulejos, elas também podem ser encontradas em formatos alternativos, como retângulos e hexágonos.

Para facilitar o manuseio e o assentamento, as pastilhas costumam ser fabricadas em telas que unem as pequenas peças, mas é possível separar cada unidade e aplicá-las separadamente.

Diferente dos demais revestimentos, as pastilhas são muito utilizadas como elemento decorativo em paredes, bancadas, piscinas e fachadas, tanto em condomínios novos como antigos. Com opções em porcelana, cerâmica, vidro, metal ou até mesmo madeira, é preciso ficar de olho nas características técnicas de cada peça e em suas vantagens e desvantagens no dia a dia.

 

Segundo o arquiteto Rodrigo Kirck, os maiores benefícios são a durabilidade dos materiais e o aumento de proteção hidrotérmica para as fachadas. Além disso, há o fato de, em reformas, possibilitar a revitalização de imóveis já considerados antigos. “Hoje existe uma gama muito variada de produtos, os quais irão se adequar melhor de acordo com cada tipo de empreendimento conforme a altura, o tipo de área a ser coberta, a possibilidade de manutenção e outros fatores”, relata.

 

Engenheiro civil e diretor do Instituto Catarinense de Engenharia de Avaliações e Perícia (IBAPE-SC), Murilo Azevedo Brasil afirma que entre as opções utilizadas em projetos de retrofit de fachada estão as aeradas ou ventiladas, técnica em que as placas cerâmicas são colocadas através de fixadores metálicos e apresentam, por exemplo, melhoria do conforto térmico e acústico, maior durabilidade, estanqueidade, e possibilitam a utilização de peças cerâmicas de grandes formatos. “A tendência no mundo e no Brasil é de cada vez mais se utilizar as fachadas ventiladas, porém o maior custo desse sistema ainda é um inibidor de utilização da tecnologia”, comenta.

 

Nas fachadas aderidas, ou seja, quando a cerâmica é colada diretamente no reboco, o engenheiro explica que se utilizam peças menores e que normalmente são fornecidas já com tela para facilitar a aplicação. “Estas peças devem ter baixa absorção de água a fim de permitir maior durabilidade”, ressalta.

 

Murilo lembra que, de acordo com a norma de desempenho NBR 15.575, tanto o revestimento de placas cerâmicas quanto as fachadas ventiladas devem ter uma vida útil projetada de no mínimo 20 anos. “A vida útil projetada só será alcançada se os processos de manutenção forem corretamente executados”, lembra.

 

Se por um lado, há economia evitando pinturas constantes, por outro, a manutenção pode trazer problemas como descolamento, quebra, acúmulo de água nas juntas e falta de material para reposição.

 

Problemas mais comuns

 

Segundo o engenheiro o descolamento é a manifestação mais séria, devido ao risco de acidentes com usuários e transeuntes, e aos elevados custos necessários para o reparo. O engenheiro ressalta que, nesse caso, a primeira providência a se tomar é isolar a área, pois a queda de peças pode atingir pessoas. “O primeiro sinal dessa patologia é a ocorrência de som oco nas placas cerâmicas quando percutidas, e sua causa é associada à perda de aderência entre algum dos elementos que compõem a fachada e originada por tensões que ultrapassam a capacidade de aderência”.

 

Podem acontecer ainda depósitos cristalinos de cor esbranquiçada e aspecto escorrido que surgem na superfície do revestimento, resultantes da infiltração de água, comprometendo a estética e podendo provocar degradações profundas. Outros problemas são as manchas e bolores provocados por infiltrações frequentes associadas aos deslocamentos e desagregação dos revestimentos ou a porosidade do material e até mesmo a sujeira acumulada em calhas ou parapeitos. Podem ocorrer ainda trincas e fissuras em razão de esforços mecânicos de tração, que causam a separação das placas e surgem normalmente nos primeiros e últimos andares do edifício. Menos frequente, o gretamento é o efeito formado por uma série de pequenas aberturas na superfície esmaltada das placas cerâmicas dando aspecto envelhecido à fachada.

 

Seja qual for o problema, o arquiteto Rodrigo Kirck destaca a importância de se ter uma avaliação técnica da causa para só assim se definir uma solução para o problema. “Nunca se deve reaplicar novas pastilhas, sem antes ter uma definição correta da patologia e qual solução técnica aplicar, pois há o risco de acontecer novos descolamentos em um curto período de tempo”, orienta.

Manutenção

 

Os profissionais destacam a manutenção preventiva como o melhor caminho, pois tem custo muito inferior à manutenção corretiva e salientam a importância de estar atento ao tipo de material, pois cada sistema tem suas especificidades, não sendo algo com uma solução única.

 

Murilo Brasil lembra que é muito importante que a manutenção obedeça ao manual de uso, operação e manutenção do prédio, evitando-se a perda de garantia e de desempenho precoce e dificultando atingir a vida útil da fachada. O engenheiro orienta que se faça a lavagem da fachada a cada três anos, com pressão moderada para não danificar o rejunte, limpando com pano umedecido e detergente neutro e verificando todos os elementos. “Deve-se ter especial atenção quanto à integridade do selante, observando-se o surgimento de fissuras, descolamento das bordas e sua elasticidade”, conclui.

.